tresanos

resto:

um oceano de veneno e estilhaços
suavemente tocava cinzas e rochas
para logo desvanecer os seus passos;
ao escutar o seu marulhar cansado,
olhos imóveis, nas areias deitado,
lembrava o embate dos aços,
brancas torres de fumo e as tochas
que seu pensamentos tornaram baços

um continente calcinado e deserto
percorrido por sombras e ventos
tornara-se o seu túmulo aberto;
mil vezes em desespero o atravessou
na demanda inútil que um dia sonhou.
de rochas e areias por fim recoberto,
esquecia-se dos seus tormentos
confundido pelo ondular incerto

um céu de pesadelo por poeiras tingido
rodopiava opaco em lentas ameaças
numa eternidade crepuscular sem sentido;
de olhos imóveis à espera das teias
jazia inofensivo entre cinzas e areias,
sem compreender que fora vencido,
a vida esvaída e as horas escassas
anulavam um amanhã há muito esquecido.

(1991)


webmusiczine
real art
guestbook